quinta-feira, novembro 30, 2006

LADRÃO QUE ROUBA LADRÃO


Francês é preso tentando vender cabelo da múmia de Ramsés ll

A polícia francesa prendeu em Grenoble um homem que estava tentando vender mechas de cabelo do faraó egípcio Ramsés II.

O homem estava pedindo 2.500 euros por cada mecha de cabelo, além de pequenos pedaços de resina e de tecido embalsamado tirados da múmia do faraó.
O vendedor afirmou em um site na internet (www.visastreet.fr) que havia recebido as relíquias de seu pai, que tinha trabalhado num laboratório francês responsável por analisar e restaurar o corpo de Ramsés, entre 1976 e 1977.
"Recebemos garantias de que é mesmo cabelo de Ramsés e estamos investigando o suspeito por posse fraudulenta do material, e que seu pai, que já morreu, guardou o cabelo, que foi dado à França para análise de especialistas", afirmou a polícia.
"Nenhum cientista francês ousaria tirar cabelo de Ramsés II. Isso é furto", disse Christiane Desroches-Noblecourt, que trabalhou no projeto de restauração na década de 1970.
Ramsés II, o Grande, nasceu por volta de 1304 a.C. e governou o Egito por mais de 60 anos durante a 19a dinastia de faraós, há 3.200 anos.
Sua múmia foi descoberta em 1881 e pouco depois removida para o Museu Egípcio do Cairo. No início da década de 1970, as autoridades perceberam que o corpo estava se deteriorando e o enviaram para Paris, onde ele recebeu tratamento para uma infecção por fungos.
O vendedor prometia fornecer certificados de autenticidade ao eventual comprador das relíquias.
"Sou a única pessoa que tem essas coisas e não será retirada mais nenhuma amostra da múmia, que hoje está no Cairo. O dinheiro que estou pedindo pela aquisição é compatível com a raridade dos objetos", escreveu ele.

Agora, se quiserem uma lembrancinha mais em conta, eu tenho aqui um punhado de pentelhos de Tutankamon na promoção: na minha mão é um reáu, só até sábado.

NÓIS GANHA POUCO MAS NÓIS SI DIVERTE

A van lotada, caindo aos pedaços, passa devagar pela pista da esquerda, em plena Nossa Senhora de Copacabana, sete e meia da noite.
Em frente à Galeria Menescal, o maior engarrafamento, o motorista saca o megafone - em geral utilizado para anunciar seu itinerário aos potenciais fregueses. Aponta o aparelho para fora da janela, enquanto observa os e as camelôs que estendem suas quinquilharias sentados junto ao meio-fio, de costas para a pista e anuncia, aos berros:
"Atenção, atenção, senhores passageiros: O cofrinho está aparecendo!"

domingo, novembro 26, 2006

QUERIDO DIÁRIO

Deve ter uns quatorze anos. Está deitada de bruços sobre o colchão, balançando no alto os pés entrelaçados, distraidamente.
Escrevendo pensativa num diário cor-de-rosa, de vez em quando ela pára, eleva o olhar, imaginando o que escreverá a seguir. Nessas pausas, leva a caneta à boca, batuca nos próprios dentes, sorri, prossegue a escrita.
Sobre o colchão, entre bichos de pelúcia e revistas Capricho, ela é mais uma adolescente brasileira, como tantas outras, enlevada por seus sonhos românticos, fotos de galãs, escrevendo suas bobagens num diário cor-de-rosa com chavinha e cadeado.
Não fosse pelo colchão estar numa calçada imunda, numa esquina movimentada de Botafogo.

sábado, novembro 25, 2006

E ISSO É BOM OU RUIM?

Existiria verdade
verdade que ninguém vê
se todos fossem, no mundo
iguais a você

quinta-feira, novembro 23, 2006

NOS BONS SUPERMERCADOS DO RAMO

Uma cena que, eu aposto, você já deve ter asssitido em algum supermercado, é a daquele casalzinho jovem brigando por causa da lista (ou falta de lista) de compras.
ele: - OUTRO SHAMPOO???
ela: - E pra quê tanta cerveja?
ele: - A galera vai lá em casa ver o jogo...
ela: - Agora que você me diz isso?
ele: - que é que tem?
ela: - e esse monte de pastel congelado, é pra quem fritar?
ele: - ...
ela: - só se for tua mãe, meu filho! Convida ela pra ver o jogo, que eu, ó!
_______________

Ou aquele marido já mais conformado, que pergunta baixinho, cabreiro:
- Isso aí já não tem lá em casa? tem certeza?
_______________

Mas estranho mesmo foi o que eu vi outro dia, num mercadinho careiro da zona Sul:
No caixa, um casal na casa dos 40, em belos trajes casuais. No carrinho, levavam:
. duas cervejas longuinéqui
. um copo de queijo de copo
. uma embalagem com 8 garrafas de 1,5L de Matte Leão, sabor natural
. uma embalagem com 12 garrafas de 500ml de Matte Leão, sabor natural
. 8 copinhos de 300 ml de Matte Leão, sabor natural

Total da conta: R$72,00 !

Na hora de pagar, o sujeito puxa o cartão.
- É crédito ou débito?
- Crédito.
- Digite a senha por favor
- Ih, esse cartão é de senha? (digitando)
- Senha inválida, tente novamente
- *******
- Agora deu "não autorizado"...
- Então faz o seguinte: tira R$30,00 aqui neste cartão, e R$42,oo aqui deste outro...

Comentários:

(a) Puta que pariu, raspando o tacho do cartão de crédito pra comprar Matte Leão? Se ainda fosse leite em pó e fralda! feijão e arroz!! cachaça!!!
(b) Puta que pariu, a que ponto chega a preguiça de ferver água!
(c) Puta que pariu, e eu que entrei na fila deles achando que seria rapidinho...
(d) Sua opinião, nos comentários

terça-feira, novembro 21, 2006

ALÔ, GRÔ-BOH ! ALÔ, Á-GUAH !

(Resposta do que é o que é)
UMA PORRADA DE GENTE ACERTOU!

Troque sua resposta certa + 1 real por uma embalagem vazia de Biscoito Globo, nos deliciosos sabores "de sal" e "de doce".

sábado, novembro 18, 2006

O QUE É, O QUE É...?

A SUBSTÂNCIA

- É ouro em pó, é heroína?
- Não, mané, é de comer.
- É carne de avestruz, faisão, javali, vieiras, lagosta, caranguejo do Alaska?
- Serão trufas da Umbria, queijo de Parma, açafrão espanhol?
- É a Ambrosia do Olimpo?
- Nãããããããão!!!!

R$50,00 / kg !!

Este é o preço mínimo, no varejo do Rio de Janeiro, do quilo de uma substância comestível processada, cuja principal matéria prima custa menos de R$1,00 por quilo.
Os demais ingredientes, somados, para resultar em um quilo do produto acabado, totalizam mais R$1,00.
Vá lá, os insumos, mais "x".
(Calcula aí, você: Mão-de-obra pouco especializada, provavelmente semi-analfabeta. Ganhando salário-mínimo. Locação da fábrica, não importante. Pontos-de-venda: não há necessidade, terceirizado. Vendedores: não registrados, sem encargos. Investimento em publicidade: nenhum.)

Você, que é bom de conta, calcule também a margem de lucro, assim, por alto.

Pois é. Estamos falando de.... ????

(chutes para a redação)

quinta-feira, novembro 16, 2006

...EIS A QUESTÃ!


PESQUISA-RELÂMPAGO
(derivação do post anterior)

Na sua opinião, qual deveria ser a posição-defaut da tampa e do assento do vaso sanitário?
(a) tampa e assento levantados
(b) tampa e assento abaixados
(c) assento abaixado, tampa levantada
(d) indiferente

Você, mulher, que reclama do marido que faz xixi no assento: Se ferrou, coitada! Por que não se deu conta de que ele era um porco troglodita ANTES de casar?
... E Você, mulher, que reclama que o marido não põe o assento de volta no lugar, depois de levantá-lo para fazer xixi? Você se lembra de fechar a tampa do vaso?
Se a tampa deve ficar levantada e o assento abaixado (opção c), o trabalho que ele teria em abaixá-lo (partindo do princípio que ele já fez o esforço hercúleo de levantá-lo, já lhe fazendo a gentileza de não mijar no assento - puxa, você deveria ser-lhe grata, isso sim!) é o mesmo trabalho que você teria. Igualdade, bah!
Ou seja, cada um, ao encontrar o vaso, deverá fazer um movimento. Ele levanta, você abaixa! Nada mais justo! Aliás, quem instutuiu que o correto é a tampa ficar aberta e o assento abaixado? Você, mulher, claro!
Em outras palavras, não é menos desgastante fazer este pequeno gesto que reclamar por ele não ter feito? Pense em todas as companheiras que encontram o assento molhado de xixi! estas sim, estão numa situação, eu diria, paleolítica! E fala sério, tu não fecha a tampa mesmo!
Convenhamos, se fôssemos nós, acabaríamos esquecendo de abaixar o assento também, é natural!

Numa próxima oportunidade, falaremos daquele varal de calcinhas que é o seu box, ou daquela quantidade enorme de cosméticos que ocupam a bancada do banheiro, enquanto você reclama que ele ensopa tudo quando faz a barba.

(Caraca, acho que ando vendo muita GNT)

PS: Meu voto, opção (b). Tudo fechado, o que sempre obrigará todo mundo a abrir tudo e fechar tudo sempre; cada um cuida de si e ninguém reclama. Como adultos civilizados!

quarta-feira, novembro 15, 2006

SERÁ QUE FUNCIONA ?


YOUR HUSBAND ON A LEASH (*)

A idéia básica é a seguinte:
Se funciona com o seu cachorro, por que não com seu marido?

Uma adestradora de cães, que utiliza um método relativamente bom, (considerando o contexto), que consiste basicamente de recompensar o bom comportamento e a obediência aos comandos, ignorando pacientemente quando o cachorro não faz o que ela lhe ordena.
Ela dá consultas a mulheres num programa na TV, que vão lá para se queixar de que os maridos, por exemplo, não cooperam nas tarefas domésticas e não ouvem o que elas dizem.
Primeiro, ela faz a "cliente" perceber que quem tem que mudar de atitude é ela (a cliente). Parando de reclamar, só pra começo de conversa. Faz com que ela perceba que foi ela mesma quem criou a situação e alimentou a atitude passivo-agressiva do marido. Por causa do tom de voz, entre o debochado e cobrador, das reclamações constantes, e de acabar sempre fazendo o que havia pedido para ELE fazer, convencida não apenas de que ela faz as tarefas melhor e mais rápido, como de que ele as faz mal e devagar propositalmente para irritá-la e para fazê-la desistir de pedir.
Na segunda parte do programa, ela leva a cliente para passar umas horas na escola de adestramento de cães, onde ela terá oportunidade de ver os tais princípios aplicados na prática, e funcionando.
No final, o desafio é a mulher praticar os ensinamentos no próprio marido. Pedir sem reclamar, com calma e firmeza. Ignorá-lo enquanto ele não fizer a tarefa. Elogiá-lo e recompensá-lo quando ele a fizer.
Se essa moda pega!

(*) Seu marido na coleira.
Passa no GNT. Acredite, se quiser.

segunda-feira, novembro 13, 2006

ABDUZIDOS?

Gentem, o que houvem?

Experimentem cricar no linque Club dos Terrívi aqui ao lado, depois me contem.
Eu, hein!

sexta-feira, novembro 10, 2006

DOIS EM UM

ARQUITETURA PROFÉTICA

Ó, antigas tradições coloniais!
Como éreis sábias e valorosas!
Mal sabíeis que o destino
Desta Pátria encerraríeis

E que em tuas alcovas,
Se ainda em uso, abrigaríeis
Malufes, Meliantes e Mequetrefes
Indiferentemente



Casa de Câmara e Cadeia
Edificação típica do Brasil-Colônia



(que poeminha horrívi, hein, fala sério!)

quarta-feira, novembro 08, 2006

COLOQUE AS FIGURAS NA ORDEM MAIS CONVENIENTE








RECICLE, MAS NÃO ME CONVIDE

O que você acha de um restaurante que, para o almoço, serve buffet a quilo e, à noite, oferece um rodízio de pizzas, nos originais sabores: strogonoff, filé com fritas, bobó de camarão, sushi ...
Acredite, no Rio tem isso. Ô, público exigente, esse carioca!

domingo, novembro 05, 2006

QUE MERDA É ESSA, TÁ ME AMEAÇANDO??



Eu, hein...

Ou então não é de ameaça o tom do comercial da Telemar, que adverte:
"Escolha logo seu plano de minutos, antes que escolham por você!"

Sifudê, Telemar!

sexta-feira, novembro 03, 2006

NÃO ME ROTULEM, MAS SE O FIZEREM...

Outro dia, o Leandro me enviou uma corrente (inda mato esse menino), a qual abstenho-me de passar adiante, por motivos religiosos: de acordo com a obscura seita que confesso, é pecado, punido com mil anos de insetos peçonhentos, passar corrente adiante.
Pelo que entendi, a gente deve criar quatro etiquetas que de algum modo sirvam pra nos definir, e passar adiante pra outros quatro bobos.
Pensei mui seriamente a respeito, creiam, e não pude me sair com nada melhor do que o meu clássico motto [fácil, porém complexa].

Mas bem que existem por aí algumas etiquetas que muito me agradaria ver atachadas bem junto a esse corpinho que Deus me deu, quais sejam:










Quem quiser ajudar esta pobre a obter mimos de qualquer natureza, que venham com esses nominhos gravados, favor escrever para a redação. Dispensados itens de camelô e sacolinhas de free-shop vazias.