quarta-feira, março 07, 2007

FOTODOCUMENTÁRIO ESPECIAL

N. da E.: Notem, prezados leitores, que os trechos escritos em branco NÃO SÃO PIADAS. Ou melhor, não pretendiam ser; foram escritos pela Reuters (sim, sempre ela) em seu português marromenos, ou ditas e repetidas mil vezes pelo tal Trivella, que está se achando o próprio Jack Bauer. Acho que ele se repete tanto que é pra ver se ele mesmo acredita.
Riam, ou chorem.

A Polícia Federal de São Paulo pretende manter longe do presidente George W. Bush - que visitará o Brasil nos próximos dias 8 e 9 de março - qualquer tipo de manifestação. De acordo com o delegado Flávio Luiz Trivella, da Delegacia de Defesa Institucional da Superintendência da Polícia Federal de São Paulo, a idéia não é impedir que as manifestações aconteçam, mas sim mantê-las longe dos olhos do presidente.

Na foto, percebe-se que não será muito difícil manter qualquer coisa longe dos olhos do presidente.
Somente serão permitidas manifestações nos seguintes locais: calabouços da Polinter, no fundo da Baía de Ganabara, em cemitérios clandestinos, às margens do Rio Araguaia e no espaço sideral.


A passagem do presidente dos Estados Unidos George W. Bush pelo Brasil está prevista para durar cerca de 24 horas .
Durante este período, será produzido e, pela primeira vez, também inteiramente filmado em tempo real, uma temporada completa da série 24 horas, em que Jack Bauer usará de toda sua inteligência e sangue-frio para debelar uma ameaça de sequestro-relâmpago, em que terroristas internacionais, treinados por traficantes brasileiros, tentam fazer o presidente americano efetuar saques num caixa-eletrônico da Dutra.
Em seguida, o pessoal da UCT consegue rastrear uma ligação de celular pré-pago, vinda de um presídio de segurança máxima, e disponibilizada por uma central telefônica clandestina, cujo servidor proxi foi improvisado com um orelhão que funciona numa birosca no Complexo do Alemão, cujo disfarce é um inofensivo ponto de bicho e video-poker. Na ligação, os narco-terroristas, com a ajuda de deputados, ameaçam matar entes queridos de Bush envolvidos num acidente com vítimas na Marginal.

Nas fotos, vemos o agente do Serviço Secreto, Jack Bauer (d), em tratativas com o chefe da segurança nacional, o delegado Trivella (e), combinando um esquema. Trivella aproveitou para pedir catuchos de Nintendo (pros bacuris) e um tênis Náike (pra patroa), em troca da remessa de uma farinha da boa.
A visita de Bush vai mobilizar um esquema de segurança que envolverá CIA, o CSI, o Law and Order, a SWAT, o FBI, o BayWatch, o serviço secreto americano,
além das forças de segurança brasileiras, como oExército e as polícias Federal, Militar e Civil, além da divisão do corpo de Bombeiros especializada no trato e respiração boca-a-boca de celebridades loiras.
O aparato: além do armamento pesado, artefatos antimíssil estarão à disposição da equipe do presidente, além de cartuchos dum-dum e escopetas de cano serrado sem identificação.

Por razões diplomáticas, não será ainda considerado de bom-tom o uso de armas como fuzis de fabricação soviética, ou fotos do contra-regras Russo.

CONSUMO
Tudo o que Bush vai consumir no Brasil vem dos EUA. Com isso, ele pretende demonstrar sua disposição em adotar os hábitos brasileiros.
Para se ter uma idéia, até o combustível utilizado pela sua comitiva foi trazido "de casa".




Foram enviados ao Brasil armas, furgões blindados, uma central de comunicação e uma unidade de emergência médica móvel, desembarcados de um avião cargueiro na semana passada. Na foto, The Big Skull, o caveirão norteamericano.
A segurança será dividida em duas partes. As polícias brasileiras fazem a segurança externa, enquanto a americana fica junto ao Presidente.

Tropas do Exército e da Aeronáutica vão dar apoio ao esquema de segurança. O atentado contra o vice-presidente dos Estados Unidos Dick Cheney, em fevereiro, no Afeganistão, aumentou a preocupação com a segurança dos americanos.
O efetivo da Polícia Federal disponibilizará uma equipe do Comando de Operações Táticas,
reconhecida pela sua especialização para atuar em situação de risco extremo.
Foram concedidos 400 portes de arma provisórios para as equipes de segurança do presidente americano.
Também foram trazidas ao Brasil toneladas de material como água mineral, produtos de limpeza, higiene pessoal e alimentos.

A primeira Dama, dona Marisa , lamentou que o aparato de segurança seja tão rígido, (ui) pois ela tinha preparado tudo para que o Presidente Bush e a comitiva fossem recebidos num clima mais informal e caseiro, tendo ela mesma preparado refeições americanas típicas e decorado pessoalmente a suíte presidencial , para fazer com que Bush se sinta em casa.
"Queria que ele mantivesse seus hábitos e se sentisse o mais à vontade possível, não deixando de fazer nada a que estivesse acostumado.

A primeira dama confidenciou o desejo de que Bush lhe conceda um Green Card, o qual ela pretende juntar à sua coleção do faqueiro de Caras e à recém-obtida cidadania italiana, para futuramente tornar-se uma autêntica Mamma mafiosa.

No entanto, sensibilizada, A comitiva de Bush responsável pelo protocolo respondeu que lidam costantemente com o risco de envenenamento, e por isso preferem inocular-se com sua própria gordura trans.
LOGÍSTICA
Os trajetos que Bush irá percorrer terão atiradores de elite posicionados em pontos estratégicos.


Existe previsão de várias manifestações e a polícia, juntamente com o Exército, está monitorando e fazendo planos para que o presidente (Bush) não tome nem conhecimento delas", repetiu Trivella.
Mas Trivella não se manifestou, quando perguntado se o presidente Lula deveria ou não tomar conhecimento de alguma coisa.
De acordo com o delegado, a operação que será desencadeada para a recepção de Bush é de nível 1, que envolve a utilização máxima de efetivo. Porém, o número de policiais destacados não pode ser revelado, que é pra não fazer vergonha. Ainda não se sabe se serão utilizadas silhuetas de papelão com formato de policiais.
Estima-se que cerca de 400 policiais brasileiros tomem parte da operação.
Isso acarretará que muitas outras cidades brasileiras fiquem desguarnecidas de efetivos, o que poderá causar uma súbita onda de diminuição da violência urbana.
O delegado afirma que cabe à polícia federal brasileira fazer a proteção aproximada (no sentido de mais ou menos) dos chefes de Estado.
"É o mesmo trabalho que fazemos cada vez que recebemos uma autoridade desse porte."










Na foto, vemos o tratamento concedido a uma autoridade chinesa de porte muito maior, demonstrando do que o Brasil é capaz.
Nesta outra foto, um exemplo do esquema de segurança oferecido à mais alta autoridade do crime organizado, presidente do conhecido paraíso fiscal de Beira-Mar.

"Porém, por se tratar do Bush, e da situação de guerra vivida pelos Estados Unidos, é um pouco mais delicada", repetiu o delegado, em seu português muito claro e preciso.
Trivella diz que a operação de segurança é discutida há dois meses com as autoridades
americanas e todo o esquema é feito de comum acordo, ficando bem clara a posição do Brasil no referido esquema.

TRANSTORNOS À POPULAÇÃO

Segundo o delegado, os deslocamentos de Bush serão feitos de maneira a evitar transtornos à população, mas algumas vias devem ser interditadas.

Para compensar, serão oferecidos passes livres nos trens urbanos.

À parte alguns pequenos contratempos, a rotina dos cidadãos prosseguirá sem maiores alterações:

Não haverá perímetro de segurança em torno do hotel em que Bush estiver hospedado.

O espaço aéreo da cidade terá restrições, mas estas restrições estão a cargo da aeronáutica civil e militar, das fábricas, dos utilitários 4x4 da elite paulistana e do transporte coletivo, público ou alternativo, sem fiscalização de emissão de gases, principalmente nos pontos em que há venda de cachorros-quentes e churrasco grego.
Tais restrições não foram reveladas, nem mesmo aos controladores de vôo, que pretendem fazer uma operação-padrão no dia 8. Não que isso fosse fazer alguma diferença.

Todo o trabalho de segurança é coordenado pelo Exército e conta com a participação das polícias Federal, Civil, Militar e Rodoviária Federal, do Corpo de Bombeiros, da Infraero e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da bateria nota dez da Mocidade Independente.

O delegado Trivella adiantou que os agentes de segurança americanos estarão liberados para usar suas armas, dentro da legislação brasileira.

Ele não especificou que tipo de armamento será trazido pelo governo americano, mas ressaltou que todos terão que ser permitidos pelo Exército, sem exceção, estando portanto proibido o uso de lança-perfume.

Todos os lugares pelos quais o presidente Bush passará terão uma varredura anti-bomba. Diaristas de todo o país foram convocadas para essa tarefa.

Há planos prontos para deslocamento aéreo e terrestre. Segundo Trivella, o deslocamento terrestre é mais seguro,
já que no ar há maior vulnerabilidade.
Em caso de necessidade, vários planos de fuga previamente testados poderão ser colocados em prática.
O núcleo de segurança de dignatários (o NUDIGNO) da Polícia Federal é o responsável pela operação e receberá efetivos de outras partes do Estado de São Paulo.

Na foto, os Sargentos Tainha, Sancho Pança e Pincel em dia de treinamento, demonstram sua nova técnica de auto-defesa, que compreende basicamente o desenvolvimento do tecido adiposo abdominal ao nível máximo (definido por botões de aço denteados); A capa de gordura substitui com vantagens o colete à prova de balas, enquanto os botões, uma vez disparados com precisão contra o inimigo, são mais letais que as estrelas ninja.

Os agentes do núcleo atualizam-se constantemente em questões de segurança de chefes de Estado, mas, segundo Trivella, não houve treinamento especial para recepcionar Bush.


A Polícia Federal teve o mesmo papel na segurança do ex-presidente americano Bill Clinton, há dez anos.

Mas a segurança de Bush é ainda mais delicada, de acordo com Trivella, porque o país está em guerra, repetiu o delegado.

A Polícia Federal aumentou o monitoramento de possíveis grupos extremistas na tríplice fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguay, mas Trivella afirma que nada foi detectado.

















7 comentários:

eduardo lima disse...

Tudo firula. Sobre a visita a Lula, Alfred Bush Newman teria declarado a Jeb sua máxima favorita: "Quem, eu me preocupar?"

S0MBR4 disse...

esse post quebrou todos os records do blogspot!

nunca imaginei que alguem conseguisse postar tantas pics num unico post e nao dar defeito algum no upload...

crissmyass para o livros dos records da intenet JÁ!!!!

;-p

PS: caraioooo que pic é aquela da suruba anima?!??! trenzinho de veadinhos?!

GUGA ALAYON disse...

Soube que Bush e sua tropa já alteraram o roteiro da viagem no Brasil e vão só fazer uma escala na Capital Federal, Buenos Aires.

Seu Creysson disse...

Crizmaiéçiu, que descriçiônica sensaçionálica! Agórica o Brasílico vai çe sentir mais em segurânçia!

sergio andrade disse...

Genial! Um dos melhores posts de todos os tempos! A seleção de fotos é de arrasar, sem falar no texto irônico (o seu, não do Trivella)! Parabéns!

GUGA ALAYON disse...

post sensacional mesmo. Não custa repetir. Demais!

CrissMyAss disse...

Sérgio, achei o do Trivella mil vezes mais irônico!