quarta-feira, novembro 15, 2006

SERÁ QUE FUNCIONA ?


YOUR HUSBAND ON A LEASH (*)

A idéia básica é a seguinte:
Se funciona com o seu cachorro, por que não com seu marido?

Uma adestradora de cães, que utiliza um método relativamente bom, (considerando o contexto), que consiste basicamente de recompensar o bom comportamento e a obediência aos comandos, ignorando pacientemente quando o cachorro não faz o que ela lhe ordena.
Ela dá consultas a mulheres num programa na TV, que vão lá para se queixar de que os maridos, por exemplo, não cooperam nas tarefas domésticas e não ouvem o que elas dizem.
Primeiro, ela faz a "cliente" perceber que quem tem que mudar de atitude é ela (a cliente). Parando de reclamar, só pra começo de conversa. Faz com que ela perceba que foi ela mesma quem criou a situação e alimentou a atitude passivo-agressiva do marido. Por causa do tom de voz, entre o debochado e cobrador, das reclamações constantes, e de acabar sempre fazendo o que havia pedido para ELE fazer, convencida não apenas de que ela faz as tarefas melhor e mais rápido, como de que ele as faz mal e devagar propositalmente para irritá-la e para fazê-la desistir de pedir.
Na segunda parte do programa, ela leva a cliente para passar umas horas na escola de adestramento de cães, onde ela terá oportunidade de ver os tais princípios aplicados na prática, e funcionando.
No final, o desafio é a mulher praticar os ensinamentos no próprio marido. Pedir sem reclamar, com calma e firmeza. Ignorá-lo enquanto ele não fizer a tarefa. Elogiá-lo e recompensá-lo quando ele a fizer.
Se essa moda pega!

(*) Seu marido na coleira.
Passa no GNT. Acredite, se quiser.

14 comentários:

Sérgio disse...

só para ficar na ilustração, vc vê a coleira? pois bem, ela não precisa ser tomada literalmente para constatarmos que ela já existe e que nós homens já somos tratados, nestes termos, como cãezinhos amestrados. e vocês mulheres sabem como.

mas existe a contrapartida, e nós homens também sabemos a que tipo de coleira recorrermos, oportunamente.

a questão é que cãezinhos se revoltam, escapam das coleiras e "dão suas voltas", é a vida. cães machos e fêmeas. nos resta escolhermos com quais tipos de coleiras "operaremos", em quem usá-las e como. é uma combinação variada e difícil, mas não temos saída.

(Criss, porque vc só não aceitou meu poeminha porno? foi uma reação moral ou "estética"? que censura chata!)

CrissMyAss disse...

Sérgio, acho que se tivesse recebido algum poema, porno ou não, eu me lembraria.
Até que aqui não é bem um lugar onde exista esse tipo de censura, concorda?
Mande de novo, pra ver o que aconteceu. Se eu não publicar, prometo contar o motivo.

Camarada Arcanjo disse...

Incrível!

Primeiro ela adestra a mulher, depois tenta adestrar, a adestrada, a adestrar o marido. O marido depois de adestrado se comportará mais dócil e obediente. Desconfio que ele ficará sentado e atento aguardando uma nova ordem da mulher.

Não quero ser considerado um estraga prazeres, afinal fantasias são fantasias.

Mas e se o marido conhece todas as técnicas de adestramento de cachorro, assim como eu. Tem plano B?

O marido, quando contrariado pode mijar nas cortinas e almofadas? rsrs

Sérgio disse...

camarada (nos dois sentidos) é mais comum o marido mijar na borda do vaso sanitário...

Criss, não tenho mais o poeminha (só me lembro que tinha cú no meio - ou no meio do cú... cú genérico, cú sem dono, por favor).

Foi cometido sob estímulo de um post seu e de comentários... acho que fiz no seu post sobre motel e zoomorfia.

sobre censura, concordo. por isto mesmo estranhei, não imaginei que tivesse sido objeto de censura...

Sérgio disse...

em geral os maridos já mijam na borda do vaso sanitário. revoltados ou sem mira.

o poeminha, acho, foi comentário no post sobre motel e zoomorfia.

tinha cú no meio ou no meio do cú; cú genérico, sem dono, por favor.

não me lembro mais...

sobre censura, concordando com vc, é que estranhei.

Ratapulgo disse...

funciona perfeitamente.
mme. ratapulgo já conseguiu que eu parasse de fzer xixi no tapete da sala e também de correr atrás dos carros.

Giulia disse...

Mas não na borda do vaso sanitário,hein, Rata?... Eu quase consegui essa proeza com meu marido, mas infelizmente meu filho varão adquiriu o mesmo vício, o que provocou uma volta à estaca zero. Se é genético não sei, mas com certeza a união faz a força! (Será que a coleira resolve?...)

nancy moises disse...

Boa tarde! Passando pra ver as novidades e te desejar um ótimo final de semana, ofereço a você o award Lua em Poemas seu blog é nota 10.Adorei tudo por aqui. bjs

CrissMyAss disse...

Obrigada Nancy, esperamos continuar servindo bem para servir sempre!

CrissMyAss disse...

Ó criaturas, se todo problema conjugal se resumisse na maldita tampa do vaso...

Alexandre disse...

Pelo visto o objetivo do programa é transformar italianos em alemaes.
Se a transformação acontecer perdes, se precisas mudar tão radicalmente ja es um perdedor.
Não haveria um meio-termo entre a frau com chicote e a mama que trata o filho como se deficiente fosse?

gugala disse...

o saco é ter que levar pra fazer cocô todo dia.

Camarada Arcanjo disse...

As mulheres que reclamam disso, não sabem exatamente como funciona o pinto.

Aquilo não tem pontaria não, minha gente! Fica todo amarrotado dentro da cueca e quando sacado, sempre com pressa, não olha bem para onde está ejetando. rsrsrs

Ricardo Rayol disse...

Já pegou e as mulheres que fazem isso são chamadas de mistress e atendem pela alcunha de lady qualquer coisa e usam sapatos altos de saltos finissimos rs