domingo, setembro 24, 2006

...NADA MAIS QUE PALAVRAS...

Certa senhora da sociedade me contou que seu personal trainer, rapaz formado em Educação Física, decidiu estudar Direito numa faculdade da Zona Sul do Rio.
Já matriculado, logo após o início do curso, ele chegou ao treino dizendo: "Puxa, hoje tenho muito que estudar. Muitas palavras que não conheço, preciso ver no dicionário. Uma, por exemplo, não sei se é preâmbulo... perâmbulo, sei lá. Outra é ...coação, facultativo...

Se ele chegou a se formar em Educação Física, é porque chegou ao segundo grau e ao vestibular...

***
Agora mesmo estou assistindo a esta pseudo-culta TV History Channel dizendo, em sua péssima tradução e igualmente péssima locução "...não havia consistência (consistency) entre a temperatura interna e externa..." logicamente significando paridade, coincidência, coerência.

Tradutores sem-noção nem percebem que a frase em português fica totalmente sem sentido.

***

No supermercado:
- Onde posso encontrar batata-palha?
- Lá no checáuti.

Não sejamos chiitas a ponto de achar que devemos banir as palavras estrangeiras do nosso vocabulário. Principalmente quando a tradução não consegue exprimir de modo satisfatório, completo e suscinto o significado na língua original.
Checkout é uma dessas palavras. Mas não sei se é necessário aplicá-la aqui, uma vez que costumávamos chamar aquela parte do supermercado simples e prosaicamente de caixas.
O tragicômico é que o funcionário do supermercado não conhece um mínimo de palavras em português, muito menos o significado de checkout.

***

No ótimo blogue Conversas Furtadas, duas meninas conversam num ônibus:
- Isso é irrepelente...
- Quê?
- Irrepelente, quando uma coisa não tem importância.
- Ah!

***

Tudo isso pra dizer: Sabem o que seria bom?

Cada ano escolar, junto com os livros didáticos, deveria ter um dicionário / vocabulário mínimo, oficial, elaborado por linguistas e filólogos, a ser cobrado ao longo e ao final do ano letivo, como uma matéria qualquer: através de prova.
Para passar do primeiro ao segundo grau, provão.
Vestibular teria redação e prova de vocabulário.

***

Obrigada, Denise, por puxar o assunto.

36 comentários:

Giulia disse...

Que boas risadas, Cris!! Mas o campeão da gargalhada é o "cheque calção"! Já topou com isso? Pois uma coisa é você ouvir, outra muito mais engraçada é ler, ainda mais num documento sisudo pedindo garantia para fechar negócio!

S0MBR4 disse...

Puxa! Nunca vi batata palha no "checkout"!!!rs

Que porra de supermercado é esse?!!?

;-p

CrissMyAss disse...

Giulia
Claro que conheço o cheque-calção, muito utilizado no empréstimo de objetos para demonstração.
Ele sempre é "retornado" após a "recolha" dos produtos.

CrissMyAss disse...

Sombra, tem muita coisa que você nunca viu. Batata-palha é o de menAs.

Ricardo Rayol disse...

Era só estimular a ler, não só livrso didáticos, mas livros em geral.

eduardo lima disse...

Fala, síndica!

Obrigado pela visita. É sempre bom receber comentários construtivos.
Cadê a tal pesquisa? Já saíram os resultados? Tem um tal de best of blogs que elege todos os anos os melhores em cada língua. Eu ainda não vi. Mas minha mulher já. E inscreveu o meu. É com você, Lombardi!

Bjs

Denise Sollami disse...

O pior, Cris, é que o rapaz provavelmente vai sair da faculdade de direito ignorando o conceito de tudo o que, por ora, apenas o significado lhe é estranho. Essas faculdades de direito são máquinas de fazer ignorantes. E qual a razão da escolha? será que ele gosta de ler? de escrever? de estudar? o que levam essas pessoas a estudar direito? ah, sim: é uma das carreiras em que há mais possibilidades de se fazer um concurso público, nova mania nacional.
Hum, bom assunto, concurso público... Uma coisa puxa a outra -eu puxei este assunto aqui, vc puxou este assunto (concurso) lá.

gugala disse...

eventualy acontece mesmo

pecus disse...

Vi uma vez uma sessão da assembléia em que o Aldo Rebelo tinha levado um professor para defender seu projeto de lei banindo as palavras estrangeiras. Foi hilário quando o professor o contradisse, dizendo que a língua era viva e um dos principais modos de evolução era a incorporação dos estrangeirismos.

DJ Aurelio disse...

Apoiado. Aproveita e corrige: é sucinta.

Jorge Sobesta disse...

Criss,

Onde você arrumou minha foto?


Um abraço.

Frederico disse...

Cris, lá no "melhores momentos" do imBLOGlio tem um texto chamado "estrangeirismos" que enfoca justamente o amontoado de termos estrangeiros que usamos diariamente sem o menor aportuguesamento. Não sou contra; é apenas uma constatação. Dê uma olhada. // absurdo um supermercado usar "checkout" para caixa. Eu escolheria melhor meu local de compras... ;-) // O professor de ed. física passou pelo vestibular e segundo grau. Mas quem não passa !!?!?! é triste, mas verdadeiro. Tudo é esculhambação.

Frederico disse...

Denise, concurso público é mania nacional há aaaaaaaanos. É como a última tábua de salvação (ou melhor, seguindo o espírito do blog, tauba). Minha tauba já encontrei há anos, navego gostoooso nela. // Cheque calção, Denise (e Giulia) me lembrou meu gerente (que citei no blog da Denise) e sua "rúbrica". Ai, ai...

Nevão disse...

NA CAMA

— Me dá um beijo.
— Já lhe disse que não se começa frase com pronome oblíquo...
— Então, dá-me um beijo.
— Querida, já que nós nos tratamos por você, e não por tu, melhor seria se dissesse "Dê-me um beijo"...
—Tudo bem. Dê-me um beijo, então.
* * *
— Ai! Você feriu-me.
― Nada disso, querida! É "você me feriu"
― Ainda assim gostei do beijo. Vamos fazer amor?
* * *
― Foi bom, querido?
― Podia ter sido melhor...
― Por quê?
― Porque na hora h você errou de novo na colocação do pronome!

Serjão disse...

Direito numa faculdade da Zona Sul do Rio. seria a puc?

Serjão disse...

Direito numa faculdade da Zona Sul do Rio. seria a puc?

marconi leal disse...

Cris, a propósito de traduções, certa vez vi um sujeito traduzir "Speaker of the House", no caso, presidente do equivalente à Câmara dos Deputados nos EUA, por "alto-falante da casa"! Pode?

CrissMyAss disse...

Rayol, claro que é através da leitura que se adquire vocabulário, mas a coisa precisa ser cobrada de maneira mais eficiente. Os livros são poucos ao longo do ano letivo, porque sempre há a alegação de que não há tempo. Não se exige leitura nas férias; livros são caros; blablabla.
No fim, provas sempre enfatizam as questões de interpretação de texto, quando muito gramática. Vocabulário, nunca.
Talvez o ideal não seja decorar um vocabulário sem contexto, mas deveria haver um vocabulário mínimo a ser exigido ao final de cada ano, de algum modo.
Mais palavras = mais idéias.

CrissMyAss disse...

Denise,
Fico aqui imaginando o tamanho da bolada que essas instituições que organizam concursos arrecadam.
Pra onde vai toda essa bufunfa?
Cinquenta, setenta reais, e há concursos que atraem milhões de pessoas no país.
Chega a ter concurso com proporções de dezenas de milhares de candidatos por vaga!
Acho que a prova já deveria começar na inscrição. Se o cara se inscreve, não é um gênio e não vem se preparando há cinco anos, já estará previamente reprovado, só por se inscrever sem chances, porque ...vai ser burro assim na puta que pariu!!!

CrissMyAss disse...

Eduardo, eu não vi, nem meu marido.
Ou
Eduardo eu não vi nem vi meu marido.

Quanto ao resultado da pesquisa:
Não haverá um resultado oficial, só temas para reflexão e debate e, sempre que possível, minhas considerações sobre uma amostragem de quase cem blogues.
Some-se a isso a opinião de vocês nos comentários e teremos um painel razoavelmente preciso, porém limitado a certas características em comum.
Vem rolando há várias semanas em posts diversos, se tiver saco de procurar, por favor opine.

CrissMyAss disse...

guga, falando em "eventualy", acabo de assistir ao Family Guy, que adoro, dizer que alguém era um convicto (convict = condenado).

CrissMyAss disse...

Serjão, né a Púqui não.
É aquela Estácio do Humaitá.

CrissMyAss disse...

DJ Aurélio, pra não errar mais:

SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA
SUCINTA SUCINTA SUCINTA SUCINTA

CrissMyAss disse...

Sobesta, o meu é mais fofo...

Sérgio disse...

falar e escrever correto é bom, mas não significa, ao mesmo tempo, "pensar bem". quantos falam e escrevem direitinho, mas como meros repetidores...(inclusive, e talvez principalmente, em língua estrangeira).

no final das contas, a correção e a cobrança da correção nestes termos, num país onde o acesso ao aprendizado é tão restrito, é mais um artifício de distinção social (ao modo de Bourdieu, por exemplo) do que verdadeira preocupação com a ignorância.
não se discute o seu por quê, mais do que se goza o fato de tal ignorância ser alheia e um "escândalo". coisa burguesa!

strix disse...

Bota fofura nisso.

S0MBR4 disse...

aeee mas eu adoro supermercado!
e meio jeito psicotico de ser me faz decorar a disposição das mercadorias...

realmente nunca vi a batata palha no checkout!rss
checkout é lugar de balinha, pilha, gilete e refri!rs

o que mais eu nao vi que deveria ver?!?!rs

Giulia disse...

Além das traduções tem coisas piores: no meio de uma reunião em inglês, o cara levanta e fala "focus"! Mas na verdade o que se ouve e `fuck us`!...

eduardo lima disse...

Criss, o site em questão é www.thebobs.com, passa lá e vota no blog da alcinéia, aquela que o Sarney mandou tirar do uol. O prêmio não é grande coisa, um i-pod, mas é melhor do que um exemplar autografado de marimbombos de fogo.

Anônimo disse...

os comentários nesta merda são censurados?

CrissMyAss disse...

Sergio
Acho que conhecer mais palavras é ter mais ferramentas para se pensar com mais precisão, variedade e criatividade. Uma coisa alimenta a outra, como meios e fins.
E também acho que nada deve ser nivelado por baixo.
Sou a favor de LUXO PARA TODOS, e se ter acesso à cultura é um luxo, lutemos por ele.

strix, só strix disse...

Luxo? Si eu estiver no cume do Everest, sobra de oxigênio seria luxo ou sobrevivência?
Strix.

Denise Sollami disse...

Strix, oxigênio, ultimamente, é luxo.

Camarada Arcanjo disse...

Criss disse para o Sobesta que o dela é mais fôfo. Deve ser uma verdade.

E azul. rsrs

Camarada Arcanjo disse...

Porque a bagunça é tão divertida?
Você tem razão. Blog é coisa de adolescente. rsrs

Simone disse...

Outro dia vi esta auto-descrição no Orkut:
"uma menina muito estrovestida
meia doida ,facil de fazer amizade...
e que esta a preucura de um amor sincero coisa que acho muito dificil nos homens de joje em dia..."